Elza Soares e Pitty: empoderadas e empoderadoras


Em uma época onde as discussões de gênero estão caminhando a todo vapor e as mulheres como nunca estão lutando para reaver seu  lugar social, contrariando preconceitos, vencendo imposições e silenciamentos e sendo cada vez mais livres da invisibilidade, surgem vozes que se levantam ao seu favor, para cantar e transmitir mensagens de empoderamento e valorização por meio da sua arte.

Dentre as cantoras que dão voz a luta feminina por equidade, destacamos algumas que com maior frequência vem aparecendo na mídia e expressando seus anseios por meio da arte musical, desde cantoras já consagradas à cantoras em início de carreira.

Começando por aquelas que já tem um nome no cenário nacional traremos nesta matéria respectivamente sucessos das cantoras Elza Soares e Pitty.

A primeira carrega em seu histórico uma longa jornada artística e aos 80 anos continua fazendo shows e mostrando toda sua força. No seu mais recente CD ela trás músicas belíssimas como "A mulher do fim do mundo" e "Eu bebo sim", aqui daremos destaque a "Maria da Vila Matilde", nessa canção Elza expressa a violência sofrida por mulheres e trás a resistência das mesmas contra esses atos. Confira abaixo:


Cadê meu celular?
Eu vou ligar pro 180
Vou entregar teu nome
E explicar meu endereço
Aqui você não entra mais
Eu digo que não te conheço
E jogo água fervendo
Se você se aventurar
Eu solto o cachorro
E, apontando pra você
Eu grito: péguix guix guix guix
Eu quero ver
Você pular, você correr
Na frente dos vizinhos
Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim
Cadê meu celular?
Eu vou ligar pro 180
Vou entregar teu nome
E explicar meu endereço
Aqui você não entra mais
Eu digo que não te conheço
E jogo água fervendo
Se você se aventurar
Eu solto o cachorro
E, apontando pra você
Eu grito: péguix guix guix guix
Eu quero ver
Você pular, você correr
Na frente dos vizinhos
Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim
E quando o samango chegar
Eu mostro o roxo no meu braço
Entrego teu baralho
Teu bloco de pule
Teu dado chumbado
Ponho água no bule
Passo e ofereço um cafezim
Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim
Cadê meu celular?
Eu vou ligar pro 180
Vou entregar teu nome
E explicar meu endereço
Aqui você não entra mais
Eu digo que não te conheço
E jogo água fervendo
Se você se aventurar


A roqueira baiana Pitty aos quase 40 anos, também tem um repertorio bastante empoderado que encanta e faz multidões cantarem junto com ela, uma das suas músicas que estão no gosto das pessoas é "Desconstruindo Amélia", que trás uma mulher disposta a romper com as imposições sociais e buscar ser ouvida a todo custo. Confira música e letra abaixo:




Já é tarde, tudo está certo
Cada coisa posta em seu lugar
Filho dorme, ela arruma o uniforme
Tudo pronto pra quando despertar

O ensejo a fez tão prendada
Ela foi educada pra cuidar e servir
De costume, esquecia-se dela
Sempre a última a sair
Disfarça e segue em frente
Todo dia até cansar (Uhu!)
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa, assume o jogo
Faz questão de se cuidar (Uhu!)
Nem serva, nem objeto
Já não quer ser o outro
Hoje ela é um também
A despeito de tanto mestrado
Ganha menos que o namorado
E não entende porque
Tem talento de equilibrista
Ela é muita, se você quer saber
Hoje aos 30 é melhor que aos 18
Nem Balzac poderia prever
Depois do lar, do trabalho e dos filhos
Ainda vai pra night ferver
Disfarça e segue em frente
Todo dia até cansar (Uhu!)
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa, assume o jogo
Faz questão de se cuidar (Uhu!)
Nem serva, nem objeto
Já não quer ser o outro
Hoje ela é um também
Uhu, uhu, uhu
Uhu, uhu, uhu
Disfarça e segue em frente
Todo dia até cansar (Uhu!)
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa, assume o jogo
Faz questão de se cuidar (Uhu!)
Nem serva, nem objeto
Já não quer ser o outro
Hoje ela é um também

Confira também a nova parceria das duas "Na pele" que está dando o que falar: 



Olhe dentro dos meus olhos
Olhe bem pra minha cara
Você vê que eu vivi muito
Você pensa que eu nem vi nada

Olhe bem pra essa curva
Do meu riso raso e roto
Veja essa boca muda
Disfarçando o desgosto
A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio
A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio
A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio
Contemple o desenho fundo
Dessas minhas jovens rugas
Conquistadas a duras penas
Entre aventuras e fugas
Observe a face turva
O olhar tentado e atento
Se essas são marcas externas
Imagine as de dentro
A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio
A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio
A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio
(Leito de rio)
(Leito de rio)
(Leito de rio)
(Leito de rio)
Por Jorge Noronha

Comentários